Arquivo | sopas RSS feed for this section

De regresso… Com um creme de ervilhas e hortelã

9 Abr

creme_ervilhas

Desde o início do ano que a cozinha cá de casa tem oscilado entre a rotina do dia-a-dia e o meio gás (ou quase parado!). Os dias normais têm sido intercalados com os de viagem, em trabalho ou em passeio, que nos têm levado para fora de cozinha. Nos próximos meses mais viagens se avizinham, mas esperamos que a ausência desta cozinha não seja tão longa!

E para o regresso, um creme de ervilhas e hortelã. Uma sopa leve, que pode ser comida quente ou fria, e que fica deliciosa servida com umas amêndoas torradas.

Ingredientes (cerca de 6-8 pessoas):

– 500 g de ervilhas
– 1 courgette média
– 1 cenoura pequena
– 1 nabo pequeno
– 1 cebola média
– 1 dente de alho
– azeite q.b.
– água q.b.
– algumas folhas de hortelã*
– sal q.b.

Preparação:

Cortar os legumes e colocar juntamente com as ervilhas numa panela.
Cobrir com água e deixar cozinhar, até os legumes estarem tenros.
Quando os legumes estiverem cozidos juntar algumas folhas de hortelã (a gosto) e um fio de azeite, e deixar ferver durante 1 a 2 minutos
Triturar até obter um puré cremoso, ajustando a textura com um pouco de água se necessário.
Temperar com sal a gosto.

 (*) A hortelã veio directamente dos vasinhos da varanda

Anúncios

Sopa de tomate assado e manjericão

24 Set

Image

Os sabores do Verão guardados numa tigela de sopa. Uma sopa rica e aromática para aproveitar os últimos tomates da estação.

Ingredientes (2-3 pessoas, 750 ml)

– 500 g de tomates maduros
– 2 dentes de alho
– ½ cebola média
– 3-4 colheres de sopa de manjericão fresco
– 1 colher café de tomilho
– azeite q.b.
– sal q.b.
– pimenta preta q.b.
– água q.b

Preparação

Num recipiente que possa ir ao forno colocar os tomates cortados ao meio, a cebola e os dentes de alho. Regar com azeite e temperar com sal, pimenta e o tomilho.
Cobrir o fundo do recipiente com um pouco de água (não é necessária muita, só o suficiente para os tomates não pegarem) e levar a assar em forno pré-aquecido a 180ºC (cerca de 40-45 minutos).
Quando os tomates estiverem assados, colocar todos os ingredientes no liquidificador, adicionar as folhas de manjericão fresco, e bater até obter uma consistência cremosa. Se necessário acrescentar mais um pouco de água.
Retificar os temperos e servir polvilhado com um pouco de pimenta preta. Fica também muito bem com um fio de natas frescas na hora de servir.

Creme de urtigas com mousse de requeijão

3 Dez

creme_urtigas

Costuma-se dizer que perante uma má notícia, há dois tipos de pessoas: os que choram, e os que aproveitam para vender lenços. Outra frase sábia menciona que perante uma tempestade, um pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que o vento mude, e o realista ajusta as velas. Perante um problema, não se vira a cara à luta: enfrenta-se de frente.

Este creme de urtigas simboliza isso mesmo: elas picam, é certo. Podemos desprezá-las, chatearmo-nos com elas , ignorá-las, ou usá-las a nosso favor: comê-las.

Em tempo de crise, um creme de urtigas é uma solução económica (tendo em conta a sua natureza de erva daninha), tem muitos nutrientes (vitaminas, metais, e 40% de proteínas!), é saborosa e tem também esta carga simbólica forte: o que não nos mata, afinal pode tornar-nos mais fortes. E ainda uma magnífica cor verde, que é afinal a cor da esperança.

Ingredientes (6-8 pessoas):

– 2 molhos de urtigas (*)
– uma cebola grande
– azeite qb
– 1 alho
– 1 cenoura
– 3 batatas médias (ou courgettes do mesmo peso, para uma versão mais “light”)
– 1 litro de água (ou caldo de galinha, ou legumes)
– sal q.b.
– 2 colheres de chá de caril (adicione mais ou menos a gosto)
– açafrão q.b.

(mousse de requeijão)
-1 requeijão de ovelha
-125g de kefir (ou iogurte grego, ou natural)
– flor de sal

Azeite virgem extra aromatizado com tomilho, louro e alecrim (q.b.) (**)

Preparação:

a) creme:
Coloque um bom fio de azeite num tacho em lume médio-baixo,  e quando estiver quente, adicione as cebolas picadas.
Um minuto depois adicione o alho picado.
Quando as cebolas estiverem douradas ou translúcidas (aproximadamente 5 minutos), adicione cenoura e batatas cortadas bem como 1 L de água. Deixe ferver e cozer por aproximadamente 30 minutos.
Enquanto os legumes cozem, aproveite para tratar das urtigas: Colocar as urtigas com água bem quente durante uns minutos, para que as mesmas deixem de picar.
De seguida, lavá-las convenientemente, e selecionar apenas as folhas verdes e macias, eliminando folhas secas e rijas, possíveis sementes, e os caules. Coloque as folhas das urtigas num tacho à parte, e reserve.
Após a cozedura dos legumes, desligue o lume, e transfira o algum caldo da cozedura para cozer as urtigas (tenha o cuidado para deixar algum com os restantes legumes). Deixe ferver durante 10 minutos.
Enquanto as urtigas cozem, aproveite para triturar (ou liquidificar) os restantes legumes.
Após a cozedura das urtigas, transfira-as para um liquidificador conjuntamente com suficiente caldo (o restante, volte a adicioná-lo aos legumes triturados. Liquidifique até obter puré homogéneo.
Adicione agora o puré de urtigas ao puré dos outros legumes.
Acrescente mais água até atingir a espessura desejada.
Adicione o sal, caril (vá controlando a intensidade pretendida), e por último uma pitada de açafrão.

b) mousse de requeijão:
Para preparar a mousse de requeijão basta juntar o requeijão, kefir e uma pitada de flor de sal.

Sirva o creme bem quente com uma colher da mousse, finalizado com um fio de azeite aromatizado com ervas.

(*) as urtigas foram rapidamente apanhadas (com luvas…) na Quinta da Romeira
(**) este azeite aromatizado é um produto Mercearia Caseira

Creme de abóbora com chuchus e croutons de azeite de poejo

20 Nov

Não é que esta receita aqui apresentada tenha muita coisa de especial – porque não tem. Mas gostámos tanto deste creme fácil e rápido que não resistimos a partilhá-lo.

Utilizámos chuchus que trouxemos quando estivemos há uns dias no Alentejo. Vieram da Feira de Estremoz, quando eles, grandes, gloriosos e cheio de espinhos, estavam a olhar para nós…dificilmente encontramos chuchus destes na distribuição normal, e como tal, não lhes resistimos, e fizeram-nos companhia até Lisboa.

No fim ficámos com um creme de gosto quente e aconchegante, que resultou muito bem com o crocante dos croutons e com a frescura do azeite de poejo.

Ingredientes (6-8 pessoas):

– 700g de abóbora(*)
– 3 chuchus (+)
– 1 alho francês
– 5 cenouras grandes
– Azeite qb
– Água qb
– Sal qb
– Azeite de poejo (**) qb
– 2 fatias de pão caseiro

Preparação:

a)      Creme:
Pique finamente o alho francês e salteie um pouco num fio de azeite.
Quando estiver tenro, adicione as cenouras, os chuchus e a abóbora cortados em pedaços pequenos. Envolva.
Cubra com água e deixe cozer até os legumes estarem tenros.
Triture e retifique com água até obter a textura desejada.
Tempere com sal a gosto.

b)      Croutons:
Para os croutons corte o pão em pequenos cubos.
Regue com o azeite de poejo e leve ao forno até tostar.
Sirva a sopa com os croutons e com um fio de azeite de poejo.

(*) as abóboras vieram da Quinta da Romeira;
(+) os chuchus da Feira de Estremoz
(**)  o azeite de poejo utilizado é uma produção Mercearia Caseira

Creme de Couve-flor (ou falsa Vichyssoise de couve-flor) “light”

17 Set

O lado sexy da textura de uma sopa fria de batatas e alho francês está não só no nome (vichyssoise), mas principalmente na textura aveludada, na côr (branca) e na subtileza do gosto do alho francês.

Mas porque não experimentar um lado mais light, reinventando a receita?

Na realidade a couve-flor e um chuchu podem substituir perfeitamente as batatas na sopa, conferindo-lhe uma textura aveludada, mesmo sem a adição de natas.

Ingredientes (4-6 pessoas):

– 1 couve-flor média
– 1 chuchu
– 1 alho francês médio
– 1 colher de chá de manteiga
– 1L de água
– azeite q.b.
– sal q.b.
– amêndoas torradas
– coentros frescos (*)

Preparação:

Cortar finamente o alho francês e refogar com o azeite e a manteiga até ficar tenro.
Juntar a couve-flor e o chuchu cortados em pedaços pequenos, cobrir com 1L água e deixar cozinhar.
Triturar até obter um puré cremoso, ajustando a textura com um pouco de água se necessário.
Temperar com sal a gosto.
Pode servir-se com amêndoas torradas ou coentros frescos.

Esta sopa pode ser servida quente ou fria.

(*) Os coentros vieram directamente dos vasinhos da varanda

Salmorejo (porque menos é mais!)

22 Ago

Uma das suas principais virtudes da cozinha alentejana é a habilidade e criatividade para pegar em ingredientes considerados pouco nobres, e transformá-los em iguarias fantásticas, usando e abusando de ervas aromáticas, pão, alho, vinagre, etc.

O gaspacho é um destes exemplos. Embora a versão espanhola pareça mais interessante (é tudo picado e batido) visualmente e ao nível dos sabores, também o Alentejo tem a sua versão.

Mas em Espanha, vão mais longe, e na zona de Andaluzia, existe também o salmorejo, que é uma espécie de gaspacho mais minimal na variedade de ingredientes, pois não leva pepino, nem pimento. Em contrapartida, leva maior quantidade de pão e mais azeite. O resultado acaba por ser uma emulsão / creme aveludado, ao contrário do gaspacho que é mais líquido.

É habitualmente usado como sopa fria, mas pode ser usada como molho para acompanhar coelhos, peixe alimado, marinado ou frito.

Conheci o salmorejo por acaso, quando em Doñana (Almonte, Andaluzia) procurava começar uma refeição com uma sopa, e a única que existia no menu era Salmorejo. Explicaram-me que era uma sopa tradicional local, fria, e à base de tomate. Como era Verão…não me fiz rogado. Para mim foi uma revelação; foi aliás nesse momento que percebi que o tomate é um ingrediente fantástico; ainda por cima quando combinado com outros 2 ou 3 ingredientes igualmente fabulosos como o presunto, o ovo ou as anchovas, percebemos que o salmorejo é magnífico, em vários sentidos: aos olhos é atraente, na boca é fresco, textura aveludada, e os paladares…a riqueza, doçura e acidez do tomate, com o picante do alho, o sal e untuosidade do presunto ou das anchovas, e o conforto do ovo…

Foi também depois de provar uma vez o salmorejo, que um mundo novo foi verdadeiramente explorado aqui por casa: o fantástico mundo das sopas frias. Afinal, menos é mais, e no Verão, ainda mais! Hoje é dia de Salmorejo!

Ingredientes (2 pessoas)

– ½ kg de tomate maduro de boa qualidade (*)
– 1 dente de alho picado (pode ser pequeno, para reduzir a intensidade “picante” do alho)
– 1 colher de sopa de vinagre balsâmico
– ½ colher de sobremesa de sal
– 3 ou 4 colheres de sopa de azeite
– 2 fatias de pão
– 1 taça de água

Preparação

Lavar os tomates e cortá-los em bocados (caso a liquidificadora tenha pouca potência, opte por remover a pele dos tomates, e eventualmente as sementes).
Humedecer o pão numa taça com água morna, usando o mínimo de água possível (o pão serve para dar mais espessura ao salmorejo).
Adicionar os ingredientes todos à liquidificadora, e bater até ficar uma mistura homogénea.
Caso a emulsão não esteja consistente, adicionar mais um pouco de azeite; se estiver muito líquido, adicionar mais pão humedecido.
Corrigir com o sal e eventualmente mais vinagre, e reservar no frigorífico.
Na hora de servir, decorar com ovo cozido e presunto picados ; eventualmente pode-se ainda decorar com anchovas e um fio de azeite ou gotas de vinagre.

(*) O tomate foi colhido na horta caseira da Quinta da Romeira

123 Lets Cook!

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Mesa Marcada

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

http://blog.foodzai.com/

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Three Fat Ladies

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Technicolor Kitchen

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Tartelette

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Sabores da Alma

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Pratos e Travessas

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Outras Comidas

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

no soup for you

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Lume Brando

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

In the mood for food

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

gourmets {amadores}

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Receitas - From our home to yours - Português

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

figo lampo

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Elvira's Bistrot

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

De Cozinha em Cozinha passando pela Minha

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Cozinha com tomates

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

come-se

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Cinco Quartos de Laranja

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Cannelle et Vanille

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Baunilha e Caramelo

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

As Minhas Receitas

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Ardeu a padaria

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Caos na Cozinha

Experiências de uma cozinheira amadora, que gosta de experimentar coisas novas e tem muito jeito para a recriação de cenários de guerra na cozinha

%d bloggers like this: