Archive | Agosto, 2012

Salmorejo (porque menos é mais!)

22 Ago

Uma das suas principais virtudes da cozinha alentejana é a habilidade e criatividade para pegar em ingredientes considerados pouco nobres, e transformá-los em iguarias fantásticas, usando e abusando de ervas aromáticas, pão, alho, vinagre, etc.

O gaspacho é um destes exemplos. Embora a versão espanhola pareça mais interessante (é tudo picado e batido) visualmente e ao nível dos sabores, também o Alentejo tem a sua versão.

Mas em Espanha, vão mais longe, e na zona de Andaluzia, existe também o salmorejo, que é uma espécie de gaspacho mais minimal na variedade de ingredientes, pois não leva pepino, nem pimento. Em contrapartida, leva maior quantidade de pão e mais azeite. O resultado acaba por ser uma emulsão / creme aveludado, ao contrário do gaspacho que é mais líquido.

É habitualmente usado como sopa fria, mas pode ser usada como molho para acompanhar coelhos, peixe alimado, marinado ou frito.

Conheci o salmorejo por acaso, quando em Doñana (Almonte, Andaluzia) procurava começar uma refeição com uma sopa, e a única que existia no menu era Salmorejo. Explicaram-me que era uma sopa tradicional local, fria, e à base de tomate. Como era Verão…não me fiz rogado. Para mim foi uma revelação; foi aliás nesse momento que percebi que o tomate é um ingrediente fantástico; ainda por cima quando combinado com outros 2 ou 3 ingredientes igualmente fabulosos como o presunto, o ovo ou as anchovas, percebemos que o salmorejo é magnífico, em vários sentidos: aos olhos é atraente, na boca é fresco, textura aveludada, e os paladares…a riqueza, doçura e acidez do tomate, com o picante do alho, o sal e untuosidade do presunto ou das anchovas, e o conforto do ovo…

Foi também depois de provar uma vez o salmorejo, que um mundo novo foi verdadeiramente explorado aqui por casa: o fantástico mundo das sopas frias. Afinal, menos é mais, e no Verão, ainda mais! Hoje é dia de Salmorejo!

Ingredientes (2 pessoas)

– ½ kg de tomate maduro de boa qualidade (*)
– 1 dente de alho picado (pode ser pequeno, para reduzir a intensidade “picante” do alho)
– 1 colher de sopa de vinagre balsâmico
– ½ colher de sobremesa de sal
– 3 ou 4 colheres de sopa de azeite
– 2 fatias de pão
– 1 taça de água

Preparação

Lavar os tomates e cortá-los em bocados (caso a liquidificadora tenha pouca potência, opte por remover a pele dos tomates, e eventualmente as sementes).
Humedecer o pão numa taça com água morna, usando o mínimo de água possível (o pão serve para dar mais espessura ao salmorejo).
Adicionar os ingredientes todos à liquidificadora, e bater até ficar uma mistura homogénea.
Caso a emulsão não esteja consistente, adicionar mais um pouco de azeite; se estiver muito líquido, adicionar mais pão humedecido.
Corrigir com o sal e eventualmente mais vinagre, e reservar no frigorífico.
Na hora de servir, decorar com ovo cozido e presunto picados ; eventualmente pode-se ainda decorar com anchovas e um fio de azeite ou gotas de vinagre.

(*) O tomate foi colhido na horta caseira da Quinta da Romeira

Caril de Gambas

19 Ago

Às vezes para fugir à rotina do peixe e da carne, ao fim-de-semana no Verão vai bem um marisco…

A oportunidade de uma promoção num supermercado, não nos fez pensar duas vezes. Chegou a hora do Caril de Gambas.

Ingredientes ( 2-3 pessoas)

– 1 kg de camarão 20/30
– 1 tomate sem pele (*)
– cerca de 1/8 de um pimento verde grande
– 2 dentes de alho
– 2 folhas grandes de manjericão (*)
– cerca de 1 colher de sopa de coentros frescos (*)
– 1 colher de chá de caril em pó (caril suave Madras)
– ½ colher de chá de gengibre em pó
– 1 colher de sopa de molho de soja
– ½ colher de chá de piri-piri em pó (a gosto)
– 2-3 gotas de óleo de sésamo
– 1 colher de chá de pimenta branca
– sal q.b.
– 150 g de leite de coco (opcional, a gosto)

Preparação

Fazer um pequeno golpe no dorso dos camarões e temperar com sal grosso a gosto.
Colocar os restantes ingredientes num copo e triturar com a varinha mágica.
Numa frigideira colocar 1 colher de chá de margarina e cerca de 1 colher de sopa de azeite e deixar aquecer.
Adicionar cerca de 4 colheres de sopa do molho e cozinhar por 1-2 minutos.
Juntar os camarões, envolver e deixar cozinhar em lume forte por cerca de 1-2 minutos.
Juntar o restante molho e deixar em lume brando até os camarões estarem praticamente cozinhados.
Levantar o lume e deixar apurar por 1-2 minutos.
Adicionar o leite de coco e deixar cozinhar por uns minutos.

O leite de coco é opcional e fica ao gosto de cada um; a receita é igualmente saborosa das duas formas.

Para um prato completo pode ser acompanhado com arroz basmati, servindo 3-4 pessoas.

(*) O tomate foi colhido na horta caseira da Quinta da Romeira; o manjericão e os coentros vieram directamente dos vasinhos da varanda

Raita de Hortelã e Pepino com Kefir

19 Ago

A “raita” (ou raitha”) é um molho indiano à base de iogurte. A origem desta palavra em Hindu deriva da palavra sânscrita “Rajika”, significando mostarda preta e “tiktaka” (não confundir com o tiki-taka da selecção espanhola e do Barcelona…), afiado ou pungente. Alternativamente também pode ser chamada de “pachadi”.
Bom, mas indo ao que interessa…este tipo de molho acaba por ser bastante interessante em diversos pratos, e cá por casa já foi experimentado com uma sopa, e com um frango de inspiração indiana.
Adicionalmente, trata-se de um molho bastante saudável, sem recurso a gorduras, como natas, azeite, etc. Além disso, a sua preparação é deveras fácil, com a possibilidade de se dar largas à criatividade no tipo de especiarias para o tempero do iogurte, bem como na utilização de vegetais crus, ou frutas. Ainda assim, o que é habitual estar mais presente neste tipo de molho é sem dúvida os cominhos, mostarda preta, pepino e hortelã.
Na realidade, há uma grande semelhança com o “tzatziki”, de origem grega /turca, mas neste caso os cominhos não são uma especiaria frequente.
Segue então a versão feita aqui em casa. Em vez de iogurte, utilizámos kefir.

Ingredientes (8 pessoas)

– 1 pepino grande (*)
– 450 a 500 ml de kefir (ou iogurte natural, ou grego) (*)
– 4 colheres de sopa de hortelã (*)
– 1 colher de chá de cominhos
-¼ de colher de chá de pimenta de caiena

Preparação

Deve picar-se tudo na liquidificadora, mas só com um pouco de kefir (apenas para fornecer base líquida).
Depois retira-se e mistura-se com o restante kefir (não se liquidifica com o kefir todo, para não perder a espessura …claro que eu me esqueci disto, mas para a próxima não falha).

Uma coisa é certa: este molho é delicioso!

(*) O pepino foram colhidos na horta caseira da Quinta da Romeira; a hortelã veio directamente do vasinho da varanda;o kefir foi naturalmente produzido em casa…

Menu para um almoço de domingo de verão

12 Ago

Num fim de semana de Verão em que o calor não era suficientemente abrasivo para obrigar a uma ida à praia…

A coisa começou na compra de um frango do campo inteiro no talho do cunhado…ainda sem ideias de receita, trouxe-se o dito cujo no Sábado.

Já a sopa tinha sido escolhida para dar uso a um excedente de laranjas do Algarve, e para funcionar um pouco como refresco….

Um belo creme de cenoura com sorvete de laranja.

À noite (no intervalo da preparação de um jantar japonês…) procedeu-se à preparação da marinada do frango. A ideia era mantê-lo de castigo durante a noite, asfixiado num saco… para levá-lo ao forno no dia seguinte.

Apesar da mixórdia e do cheiro a alho entranhado nas mãos para fazer a marinada, os aromas são diferentes e interessantes. Já para não dizer o cheirinho nos primeiros minutos de forno 🙂

Para acompanhar o frango, um pão (naan), uma salada (alface e tomate*), um molho indiano: raita de kefir com hortelã* e pepino*  e chutney de ananás.

Acompanhou-se o frango com Casa de Santar 2009 tinto. Eventualmente um vinho com menos acidez teria sido mais adequado…

A sobremesa, foi instantânea…mas saudável 🙂 um gelado de morango feito na hora (ou no minuto, dada a rapidez…), com molho de chocolate. Acompanhado de um licor de cassis (que não estava suficientemente fresco…para a próxima não falha).

(*) O tomate e pepino foram colhidos na horta caseira da Quinta da Romeira; a hortelã veio directamente do vasinho da varanda.

A marinar…

8 Ago

Blog de receitas, experiências e viagens gastronómicas maioritariamente caseiras.
Mais tarde, quem sabe, nascerá também uma mercearia caseira com produtos feitos aqui mesmo, com recurso a ingredientes orgânicos, provenientes de produtores locais de confiança.

123 Lets Cook!

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Mesa Marcada

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

http://blog.foodzai.com/

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Three Fat Ladies

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Technicolor Kitchen

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Tartelette

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Sabores da Alma

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Pratos e Travessas

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Outras Comidas

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

no soup for you

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Lume Brando

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

In the mood for food

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

gourmets {amadores}

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Receitas - From our home to yours - Português

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

figo lampo

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Elvira's Bistrot

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

De Cozinha em Cozinha passando pela Minha

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Cozinha com tomates

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

come-se

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Cinco Quartos de Laranja

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Cannelle et Vanille

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Baunilha e Caramelo

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

As Minhas Receitas

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Ardeu a padaria

viagens pelo mundo dos sabores sem sair de casa...

Caos na Cozinha

Experiências de uma cozinheira amadora, que gosta de experimentar coisas novas e tem muito jeito para a recriação de cenários de guerra na cozinha

%d bloggers like this: